quarta-feira, 30 de novembro de 2011

A CONSCIÊNCIA DE UM TERREIRO



Porque é que as pessoas procuram um Templo ou um Terreiro? Pela empolgação? Pelo movimento? Ou por que alguém lhe disse que o caminho era aquele? Ou pelos mil labirintos que a vida lhe apresenta?
Tudo num terreiro deve ser muito bem questionado, porque um dia esta pessoa pode parar para pensar - já com olhos de dentro -, e se questionar sobre o que realmente está fazendo naquele local. Ela irá concerteza se interessar e começar a pesquisar o passado, a base, o conhecimento, a preparação de quem está dirigindo o espiritual e a consciência das pessoas ali reunidas. Se foi alguma síndrome ou doença que levou este dirigente até a sua função, ou quais os motivos que fez com que trabalhasse em uma missão tão difícil. Tudo deve ser levado em conta pelo INICIANTE - assim considerado depois que começa seu desenvolvimento - , porque um dia se poderá cobrar pela longa ou decepcionante caminhada, situação essa muito comum na maioria dos casos.
Antes de falarmos em Religião, Incorporações, Manifestações Mediúnicas ou ORIXÁ, todo Ser devia pensar que precisa estar em contato com um MUNDO DE ACTUAÇÃO em favor da Humanidade, onde pode colocar toda a sua força. Se fechar ou cercear essas forças durante o tempo de complexidade de Formação Sacerdotal, vai estacionar com certeza, e a humanidade não tem como esperar por isso.
Temos muitos exemplos em muitas religiões, positivos e negativos. Homens que pegaram a religião e transformaram-na em um reduto de poder entre as classes, e ficou só a memória da raiz deles. Não existe a necessidade do grande “mago” para que a humanidade possa levar essa força e transformação para todo o mundo. Se voltarmos ao grande mago, aqueles princípios tão conhecidos por todos, não esqueçamos que a humanidade ficou presa aos "grandes magos" durante muitos anos. Na verdade, o que todos querem é a LIBERTAÇÃO DO GRANDE MAGO. Dividir e ser parte desse grande poder e estar dentro desse movimento e não ficar periférico ao movimento, na orla. E o povo precisa desse poder já!
Existem milhares de Tradições Esotéricas na Europa, do passado e de agora, que actuam como “Sociedade Secreta”. Uma necessidade de tornar o conhecimento secreto, quando a Ciência já prestou grandes favores de se tornar compreendida. Hoje, qualquer um que quiser aprender Ciência, entra em uma Universidade e não tem mistérios. Aprende!
Se quiser saber sobre Leis Físicas, ou Químicas, da Água e do Fogo, é só entrar em uma Universidade e saber e entender o que é isso, e conhecer inclusive qual é o limite da própria Ciência. É mais honesto pegar uma criança que quer entrar na religião e dar a ela o compromisso de estudar toda a Ciência que está no conhecimento adquirido. Que vá para uma Universidade, ler, entender as Leis da Ótica, todas as Leis da Física, da Matemática. E esta criança estará suficientemente pronta, com conhecimento para entender qualquer Ciência. Não é preciso tanto “segredo”, nem tantas Escolas Esotéricas ou Livros de Raiz e de Tradições antigas de Raças, seja lá o que for, enquanto não souber qual é o seu lugar nesse Universo.
Tudo “foi” e está sendo rompido. O homem já adquiriu este segredo e as Sociedades Secretas ainda não deram conta disso.
Não precisamos mais de “SOCIEDADES SECRETAS” para entender a Ciência. Esse momento já foi superado. Se formos para o código genético, vamos ver que já estão numa busca mais evoluída. O que todos querem de volta para a humanidade é o valor ético, a relação ética entre os homens.
Quem pode dar esse poder entre os homens, é a fala da linguagem simples e que todos conseguem entender e se entender. Ou seja, eu entender o seu sentimento, e você o meu e os sentimentos gerais da humanidade. Isso é o que interessa e não a religiosidade que vai ocupar esse lugar.
Com certeza, se houver uma religião, será UMA RELIGIÃO MUITO SIMPLES E QUE TODOS POSSAM ENTENDER. E que a palavra seja superada para que um japonês possa entender um africano, um russo possa entender um alemão, etc. Talvez seja através dos olhos ou da mão, alguma coisa dessas que nos permita entrar em contato com essa força humanista.
Vamos ter que simplificar, ao contrário dos magos, dos magos negros, das Sociedades Secretas, etc. Nós TEMOS É QUE ABRIR ISSO PARA TODO O MUNDO E NÃO FICAR FECHANDO.
Se formos falar do máximo conhecimento de um Roncó (palavra em Yorubá, tradição africana, que significa quarto, caminho, local onde são feitos os assentamentos para encontrar as forças naturais ou outros ritos praticados no Culto de Nação e Umbanda), até chegar num copo de água, o conhecimento maior pode estar naquilo que está assentado no copo de água.
A água que eu bebo, que o japonês bebe, que o africano bebe, que qualquer um pode beber: a água da Fonte. E nós vamos beber da mesma Fonte. Da Fonte desse conhecimento.
O esforço do “grande mago” é CONDUZIR SEUS FILHOS PARA ESTA SIMPLICIDADE E NÃO FICAR ASSUMINDO PODERES PARA SI, PARA DENTRO APENAS DE SUA MÃO. Ou então o conhecimento vai sempre ser privilégio de uma pequena elite, fechada e encerrada em si mesma, ainda lutando por um poder que já passou.
Esse período da humanidade já passou, já era e foi ontem.
A preocupação hoje é saber como alimentar milhares de pessoas no mundo, plantar e aperfeiçoar o conhecimento da Ciência para que o alimento seja plantado em quantidade para que não falte nada para ninguém.
Observando movimentos que estão se abrindo, começar a aproveitar o país evitando todos os erros que foram cometidos com herbicidas, inseticidas, etc. Essa é a grande função do homem em busca das grandes soluções humanas. É a ciência humanitária: como recuperar a água da humanidade.
Todos os iniciantes devem entender o que faz uma entidade como parte de uma Corrente de Trabalho, atendendo pessoas, qual a energia que está sendo trabalhada, o axé, mas jamais fechar uma entidade em códigos e mistérios secretos.
Uma ENTIDADE quando se manifesta, na verdade o que faz, é um grande movimento de humanitarismo, uma grande fonte de humanidade, muito grande mesmo.
Muitos grupos negam a presença de “ENCANTADOS” nos Templos ou Terreiros de Umbanda, mas eles estão ai e não podemos negar, como também não podemos negar o conhecimento humanitário trazido pelos negros permitindo que fiquem trancados em conhecimento esotéricos e fechados.
Se certos esotéricos fizessem chover no Nordeste do Brasil e em tantos países, e, fizessem com que na Índia não houvesse tanta fome e miséria, que uma terceira guerra não existisse, até poderíamos parar para pensar um pouco.
Certos presidentes de templos de Umbanda ou de Candomblé, e, de muitas correntes chamadas espiritualistas, querem mostrar que existe entre eles e a pessoa que lhes pede ajuda uma grande diferença. É onde começa o caminho da inverdade e do pseudo-poder enrustido em fachadas.
Eles investem tudo o que tem quando alguém os procura, vestem todos os paramentos para ficar claro que só eles que “podem”, que só eles que são grandes; fazem de tudo para demonstrar como as pessoas que os procuram são pequenas.
É preciso entender que a humanidade só veio a ter conhecimento do médico quando ela veio a ter o conhecimento do doente. O doente é que trouxe o médico e não ao contrário. Não foi o médico que nasceu primeiro. Primeiro nasceram os problemas e depois como trabalhar em cima deles.
É muito importante para um Dirigente Espiritual que, quando uma pessoa que chega a um templo, para entrar na religião, saber se essa pessoa acredita em ORIXÁ, em FORÇAS e ENERGIAS que vem da terra, e que esse Pai ou a Mãe de Santo, que a receba, reconheça nessa pessoa também que está chegando ao seu Templo ou Terreiro, uma parte da imensidão do universo, mesmo que essa pessoa nova possa estar a atravessar problemas passageiros de insegurança ou outras situações, e que pode não estar sabendo administrar e dominar naquele momento.
Na verdade, se o Pai ou Mãe de Santo tiver um pouco de sensibilidade, na hora em que chegar uma Filha de Yemanjá, de Oxum, de Yansã ou de Nanã ou outra força natural em sua casa terá que escutar o barulho do mar, da cachoeira, dos ventos, da sabedoria, da mata, ou dos rios, dentro dessa pessoa nova.
TEM QUE PERCEBER QUE AQUILO É O OURO DA PESSOA, AQUILO QUE GARIMPOU, QUE É COMO UM DIAMANTE, A COISA MAIS PRECIOSA PARA SEU TEMPLO.
E DEVE ABRIR TODOS OS CAMINHOS PARA QUE AQUELA PESSOA POSSA CHEGAR.
NA VERDADE, ESTÁ RECEBENDO UM VERDADEIRO OURO EM SUA CASA, A GRANDE RIQUEZA, E NÃO É O CONTRÁRIO QUE É VERDADEIRO.
A PESSOA QUE CHEGA AO TERREIRO É QUE ESTÁ TRAZENDO SEU TESOURO PARA DENTRO DO TEMPLO. E O PROBLEMA QUE TROUXE PODE SER TÃO PEQUENO, QUE COM UMA BOA CONVERSA PODERIA E PODE SER RESOLVIDO FACILMENTE. SEM A NECESSIDADE DE SE MEXER COM GRANDES FORÇAS.
É SÓ AUXILIAR A ORGANIZAR UM POUCO A CABEÇA.
Todos nós temos uma imensa necessidade de espiritualização e isso não morre na humanidade. É uma busca constante.
A doença do doente, as chagas, as suas feridas, as suas dores são a forma que o médico tem como possibilidade de aprender com seu paciente. Se não, a gente vai aprender só com o morto. Ou vamos ter corpos frios e fica a pergunta: para onde foi a vida daquele corpo?
O Pai ou a Mãe no Santo, os Sacerdotes, Mestres, ou como são chamados em seus templos, tem que estar simples e mostrando aos filhos que eles podem estar encontrando nele, e naquele Ser novo que está chegando, as mesmas coisas que necessita e não ao contrário. E não deve ficar com a postura de “eu sou o detentor do conhecimento”, como na maioria das vezes acontece.
Se uma pessoa se considera “detentor do conhecimento”, então deveria escrever um livro para que todos pudessem aprender tudo. Se a Ciência já fez isso, não existe necessidade de ficar "marmotando"(gente que não conhece magia e se faz de mago).
A Ciência não precisa ser recriada. Ela já existe, ela esta ai. Aquele que quer ajudar ao outro, que ensine, que leve para a Escola para aprender, etc.
O que faz uma pessoa humilhar a outra, subjugá-la, trabalhar para ela? Porque pensa que não tem conhecimento, que é ignorante. O que o homem necessita urgentemente, é ter conhecimento para se libertar. O que todos nós buscamos é ciência, conhecimento, sabedoria. Porque a espiritualidade, nós já carregamos dentro de nós e ela pode apenas estar adormecida.
O papel de todo religioso é despertar a espiritualidade nas pessoas que o procuram, e todo movimento deve se convergir para isso. Todo bom terreiro de Umbanda deveria ser como uma Escola ou ter junto uma Escola, um Colégio e se não puder ensinar a grande Ciência, que ensine as pessoas a ler e a escrever, que ensine a cidadania. A missão do verdadeiro religioso é ensinar o tempo todo, e muitos estão atrasados nisso. Ler livros é se libertar. Tirar o conhecimento das mãos de alguns e distribuir entre todos. Tem muita criança que foge da Escola e isso é responsabilidade de todos. O que nós estamos deixando de oferecer? Isso está plantado com muita força dentro de todas as pessoas. Ou não. Toda a Gira (Rito) de Atendimento público, deveria ter antes do ritual, aulas de matemática, de história, geografia, biologia, botânica, etc. Todos devem estudar o tempo todo. Todos precisam aprender a lidar com aparelhos sejam eles científicos, tecnológicos. Quando a penicilina foi descoberta, favoreceu a milhares de pessoas que a medicina salvou da morte. Antigamente o homem chegava aos trinta, quarenta anos e hoje ele está chegando aos 100 anos de idade. Nós estamos indo para um momento da humanidade em que a média de idade é de 100, de 120 anos. Está se prolongando. Isso é a UMBANDA ÉTICA que tem compromissos com o homem. É a Umbanda que vem vindo e não a podemos negar. Não podemos esperar que uma Entidade faça mágicas e tire coelhos de cartolas. A NATUREZA É A GRANDE MÁGICA. Se a pessoa está com um cancro, deve procurar entender o porquê de ter ficado doente. Onde é que aconteceu a sua falha e não deixar só a falha falar. Isso não! Deve saber em que momento dela se tornou em cancro. Ninguém está com o cancro. Ela se torna em cancro. Ou vai ficar á espera que todos fiquem á sua volta dizendo: Ai, coitadinho dele! Por quê? É um movimento, meu, seu ou do outro? É um novo momento o que está chegando, e o médico tem que fazer o paciente entender isso. A origem das coisas pode estar em nós mesmos. Não se podem colocar diferenças entre as pessoas na sua maneira de proceder, e que pode estar acontecendo um grande momento de espiritualidade e não o conseguimos ver.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Umbanda Astrológica, buscando a origem...


Na Umbanda Astrológica, um pouco mais além do que declarado na Umbanda Esoterica a existência do Orisa Orunmila Ifa na Umbanda Esotérica por compreender que sob a denominação de "Yorimá", o qual, neste credo, é "patrono" da Falange dos "Pretos-velhos", primeiramente existia a figura do Orisa Obaluaiye, o Senhor da Terra da Vida, e, acima dele, a do Orisa Orunmila Ifa, o Senhor dos Destinos Humanos. Da mesma forma, a denominação "Yori" atribuída à Falange das "Crianças" da Umbanda e cujos "patronos" são São Cosme e São Damião, havia eclipsado os Gêmeos Sagrados Ibeji, chamados Taiwo e Kehinde! Também os Ere e os Tobossi africanos haviam sido sincretizados no terceiro gêmeo africano - Idowu - aquele que, na Umbanda, é conhecido por "Doum"! E denominações Tupan, Zambi, Olorun e Jeovah são nomes diferentes nos quais diferentes raças expressam o mesmo conceito de Deus Único, Onipotente e Onipresente! E quer os chamemos por Guaracy, Yacy e Rudá - Xangô, Yemanjá e Yori - São Gerônimo, N.S. da Conceição e São Cosme e São Damião, todos são Seres Espirituais de Origem Divina para os que assim os chamam e que todos eles, incluídos os demais restantes, eu posso agrupar sob a denominação genérica e atual de Orixás Ancestrais, sem com isso estar ofendendo, por diminuir ou engrandecer, nenhuma corrente religiosa. O ponto de semelhança entre eles é inquestionável em sua grandeza: Deus! 
Deus: Único, Absoluto, Onipresente e Onisciente seja qual for o Nome que a Humanidade Lhe atribua através dos Tempos e Lugares. Tenho como minha verdade que Ele reflete sua Infinita Bondade pelo Universo de sua Criação, através de Seres Espirituais de Origem Divina a quem denomino de Orixás Ancestrais. Compreendo o Mana, a Benção, a Mandinda e o Axé (Força Espiritual) dos Orixás Ancestrais como energia vivente, atuante e onipresente em nome de Deus por todo o Universo. Os Odu, viventes e atuais, devem ser aplicados e interpretados em relação a energia de um ser humano que vive no tempo presente e em relação à forma cultural a que ele pertence. O mesmo se aplica a seus rituais e orações.
O Orisa Orunmila Ifa nos concede, ao buscá-lo, quando nossa Ori Orun ("cabeça-no-além") se "ajoelha" perante o Todo Poderoso e Misericordioso Olorun deve ser para pedir-Lhe que conceda a honra de poder tornar-se um Ancestral iluminado para o Futuro, com uma nova maneira de sentir, pensar, traduzir e expressar a Sabedoria dos Orixás Ancestrais, trazendo-a para a compreensão deste povo, neste tempo, neste dia e nesta hora. E, ao estender a todos os que aqui lêm a oportunidade de Auto Conhecimento, através deste "Espelho Mágico Virtual", cumprir o Destino nesta Terra-da-Vida. Que tu procures bem cumprir o teu, se ele for, como o meu, o de estar sempre aprendendo, uma vez que aquele que só sabe ensinar é porque nada aprendeu!
A CASA DE ORUNMILA-IFA: Ifá é um Sistema de Oráculo Sagrado originário da milenar cultura africana Iorubá e é parte integrante da religião naturalista que nos foi legada pelos descendentes dos povos africanos sudaneses, nigerianos e bantos escravizados no Brasil. Sendo que, com o passar de mais de um século de sua chegada, é que miscigenou-se com anteriores conhecimentos espirituais Bantos e Angolenses aqui já aclimatados a mais de dois séculos, esta simbiose vindo a constituir-se em um dos Três Pilares Místicos sobre os quais ergueu-se a Umbanda do Brasil, à ela legando, dentre outros, dois elementos principais: o conceito dos Orixás e o Jogo dos Búzios. Mas, foi só tardiamente, quando passadas as fases da escravização e colonizacão, que os estudiosos do esoterismo das religiões africanas reformuladas no Brasil deram-se conta de que, subjacente às graciosas e/ou confusas lendas dos escravos africanos, existiam uma Teogonia, uma Mística e uma Liturgia de grande alcance espiritual, cultural e social que haviam sustentado a fé dos descendentes daqueles povos, mesmo na tragédia da escravidão.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Qual o significado de um ebó?


Ebo Etutu: sacrifício propiciatório de purificação para os falecidos ou um Orisa no período de iniciação. (carregado de elementos) Ebo Iyònu: Sacrifício para transformar a Raiva, Ódio em Afeição ou obter. O termo ebó tem pelo menos 2 significados práticos. O primeiro quando é usado para denominar um processo de limpeza, chamado também de sacudimento.
Ebo Iyònu: Sacrifício para transformar a Raiva, Ódio em Afeição ou obter os favores de um Orisa ou Ancestral.
Ebó-Opinodu: Sacrifício de alinhamento do Ori com o Odu pessoal.
Ebori; Sacrifício para Ori e o Orisha auxiliar.
Ebó-Eledá; Sacrificio de alinha mento e conexão direta com Deus (criador).
Ebo Alafia: Oferecimento de tranqüilidade.
Ebo Omisi: Banho de Expurgação com elementos adequados.
Ebó Omi-Eró: Banho propiciatório de apaziguamento.
Ebo Idamewa: Oferecimento de dízimos ou beneficência (voluntaria), também inclui comidas e banquetes.
Ebo Itasile: Oferecimentos com petições e libações cerimoniais para os Orixa ou Egun Epo Ópé: Oferecimento de Ações de Graças ou Agradecimento com toques de Ilú (tambores), oferendas de Adimu’s e festividade para Ori/Orisha.
Ebo Oresisun ou Sisun: Sacrifício ao fogo. A destruição do sacrifício por fogo constitui a separação de um estado passado para uma dimensão futura.
Ebo-Fifí: Sacrifício às ondas. Situação semelhante ao prévio com o elemento Água.
Ebo Ese: Sacrifício para quem cometeu um pecado, quer dizer desobediências, quebra de tabu.
Ebo Eni: Sacrifício de esteira.
Ebo Ate, Ebo katerun ou Ebo Atepon: Ebo realizado somente pelo Awo de orunmila.
Ebo Epile: Sacrifício de fundação, na finalidade de estruturar um Ile Ifá/Orisa, uma casa residencial ou comercio.
Ebo Todara; Sacrifício bem elaborado de forma bem arrumada e ornamentada, muito bonito e agradável aos olhos, para fins de abundancia e sucesso.
Ebó Pajé: Sacrifício específico para neutralizar Bruxaria agressiva, Feitiços de amarração feitos por mulher feiticeira.
Ebò Epepa: Sacrifício para neutralizar pragas (maldições).
Ebó nifé; Sacrifício para união e harmonia no matrimonio, geralmente é executado com micro incisões no Ori de ambos interessados.
Ebo Awedo; Sacrifício de purificação nas águas de um rio bem limpo.
Ebo Ikuda: Sacrifício para tirar uma pessoa das mãos da Morte (Ikú).
Ebo Agberepota: Sacrifício de proteção contra perversidades de Inimigos físicos ou sobrenaturais.
Ebo Aségbe; Sacrifício de proteção pessoal.
Ebo Itá; Sacrifício executado para Ogun e Osanyin no terceiro dia após uma iniciação de Yawo.
Ebò Ìrán; Sacrifício de defesa e ataque.
Ebò Èró Elegun; Sacrifício para acalmar alguém possuído por Orixas.
Ebo Dìde Abiku; Sacrifício para manter um Abiku na Terra (vivo) Ebò Tabi Ajé; Sacrifício para se tornar uma Iyami.
Ebò Nidosù; Sacrifício pra tornar pessoa um iniciado em Orisa.
Ebò Àwúre; Sacrifício para benefícios.
Ebo Ajeru; Sacrifício para conseguir melhorar as finanças.
Ebo Owonini; Sacrifício para atrair dinheiro.
Ebo Arimolé owo; Sacrifício enterrado para atrair dinheiro.
Ebo Afòran; Sacrifício pra escapar de processos na justiça.
Ebò Isègun Òta; Sacrifício pra vencer Inimigos.
Ebò Ìféran; Sacrifício para conquistar Amizade, atrair Amor, Afeição.
Ebò Irogun; Sacrifício para evitar Confusão, Guerras, Desordem.
Ebò Ayekuro; Sacrifício pra acabar com Azar.
Ebo Awórò; Sacrifício para chamar fregueses.
Ebò Ìfa Ènìyàn; Sacrifício para atrair clientes.
Ebo Ìtaja; Sacrifício para ter sucesso nas vendas em comercio.
Ebo Omobi; Sacrifício para obter fertilidade e filho.
Ebò Ipélaye; Sacrifício para longevidade.
Ebò Ajodarà; Sacrifício para ter Boa viagem.
Ebó-Gbéré; Sacrifício de Incisões para penetração do Ashé ou para proteção.

Alguns tipos de ebó são colocados dentro de casa e outros devem ser colocados no tempo. Ebó , é assim uma oferta ritual, um forte elemento e o motivo final do processo de consulta ao oráculo. Ele tem uma função central no processo de consulta. O ritual de oferta consiste de uma liturgia elaborada com objetivo de apresentar uma comida e bebida através dos quais o homem manipulará e usará para intermediar com as divindades em seu próprio benefício. 
O relacionamento entre os seres humanos e as divindades é expressado e obtido através da execução de rituais e liturgias, e isso ocorre em qualquer religião sendo essa, a ritualização, a base da necessidade e existência das religiões uma vez que a sua razão é a ligação entre o homem e o divino. A colocação ou citação do oráculo como parte do processo de um ebó é intencional, em se tratando de Candomblé ou de Ifá, não existe sentido em se estabelecer a necessidade de se fazer um ebó  sem que o oráculo esteja envolvido. Estamos tratando de uma processo de transmissão, equilíbrio e reposição de axé  através de orixá e com a interferência de um “operador” qualificado o sacerdote, dessa forma a necessidade disso, a composição, local, etc. tem que ter sido definido através do oráculo, é assim que as coisas funcionam, isso não é Umbanda. Os rituais e litugias conectam o mundo físico ao mundo espiritual de forma a trazer harmonia e equilíbrio para o nosso dia a dia. 
A palavra ebó – significa sacrifício e devemos entender isso de uma forma ampla e não somente o que requer sangue. O ebó uma oferenda a ser feita para os ancestrais ou orixá (òrìṣà) em agradecimento por benção recebidas ou na intenção de resolver problemas ou obstáculos, abrir portas e oportunidades. Os itens normalmente se compõe de itens comestíveis como frutas frescas, água, bebidas destiladas, mel e azeite. Além disso o ebó (ẹbọ) pode conter outros itens como dinheiro, roupas, búzios e ervas.  

A realização das liturgia e rituais através do ebó re-ordena e corrige o relacionamento entre a divindade e o homem trazendo o equilíbrio que se deseja. Segundo Abímbọ́lá, todo conflito no cosmo Yorùbá pode ser eventualmente resolvido através do uso do ebó. O sacrifício é a rama que traz a solução e tranquilidade ao universo e que ordena os problemas do dia a dia. 

Algumas vezes o ebó  não virá na forma de uma oferenda física, mas sim através de regras de comportamento e proibições. Por exemplo, não frequentando alguns lugares, não consumindo determinado tipo de alimento, não fazendo determinado tipo de tarefa ou comportamento, adotando uma rotina de rezas, etc.. Uma parte muito importante de um ebó (ẹbọ) é se determinar a quantidade de tempo que ele vai ficar exposto e o local onde será colocado depois. Alguns Odú podem permitir colocar seu ebó (ẹbọ) em uma lixeira, mas normalmente algum lugar da natureza poderá ser a melhor escolha. Esta definição é parte do processo do oráculo. Mas em relação a seu significado o mais importante é entender que o ebó é mais do que um conjunto de itens físicos. 
Ele é parte de um sistema de forças e energia que é movimentado no momento em que se inicia a consulta ao oráculo, quando olódùmarè se utilizará de Orunmilá e de seus ministros, os orixá  e ancestrais, para poder mudar ou corrigir uma determinada situação, e neste processo, exu é o elemento transportador de energia, ou axé. Assim todo o conjunto espiritual que compõe os fundamentos da religião se movimentam através de uma simples consulta a Ifá, ou seja, um jogo de búzios. Não podemos entender o significado de um ebó (ẹbọ) se não compreendermos este sistema metafísico que está envolvido e suas diversas engrenagens.
Quatro coisas são importantes para a eficácia de um ebó: 
- A primeira é o correto uso de cada elemento ritual que é especificado para o odù que foi revelado na consulta ao oráculo.
- Segundo isto tem que ter objetivo e propósitos reais e sinceros.
- Terceiro, tem que ser espiritualmente tratado por sacerdotes.
- Quarto, existe a necessidade de existir uma integração entre o sacerdote, o consulente e as forças espirituais que serão movimentadas para se obter o resultado desejado. Mais ainda, quando este relacionamento é próximo, as ervas, se forem necessárias, irão curar de fato.

domingo, 27 de novembro de 2011

A importância de Pombagira e Exu


Temos que começar a mudar nossos conceitos de Exú e Pomba Gira. Vamos a partir de agora ver o Exú e a Pomba Gira como aquela polícia que guarda e toma conta das ruas obedecendo sempre uma hierarquia de comando, que é o Exú chefe do Terreiro, e acima dele os guias chefes da Casa. Podemos também ver os Exús como aqueles lixeiros alegres que passam pelas ruas recolhendo toda a “sujeira”. 
Vêm com brincadeiras e algazarras, mas fazem um trabalho enorme em benefício da sociedade, que diga-se de passagem é muito pouco reconhecido. E as Pomba-giras seriam as “margaridas” mulheres que trabalham também na limpeza de nossas ruas e nossa cidade, exercendo a sua profissão com presteza e determinação. Assim como devemos ter um conceito mais respeitoso do Exú, devemos também dedicar mais respeito aos trabalhos das Pombas Giras, deixando de encará-las como mulheres vulgares e da vida, que só vêm “para arranjar casamento” ou o que é pior, para desfazer casamentos... Isto é uma coisa absurda e vulgar... 
O trabalho da Pomba Gira é sério. É também um trabalho de descarrego, de limpeza, de união entre as pessoas. De abertura dos caminhos da vida, seja do ponto de vista material, mental ou espiritual. A saudação aos Exus: A saudação ao Exú é LARÓYÈ = salve, que também quer dizer salve compadre, boa noite “moça”. 
Exú é MOJUBÁ - Moju (Viver a noite) Bá (armar emboscadas) ou seja “armar emboscadas vivendo a noite”. Mas na Umbanda o trabalho dos Exús é o de guardião. Assim ao cumprimenta-lo estamos dizendo: Salve aquele que vive à noite e que arma emboscadas. Assim estamos reconhecendo seu poder e ao mesmo tempo estamos pedindo “Àquele que vive a noite, que nos livre das emboscadas”. Os médiuns que vão fazer a obrigação de Exú devem permanecer em estado de seriedade, afastando-se de bebidas, festas, que neste caso exercem uma atração para as almas desorientadas. 
A função da obrigação de Exú é basicamente para fazer com que o Exú assuma no campo a função principal de guardião do médium, desde que este se comporte a altura de sua amizade e respeito. Bebidas: Gostam muito de bebidas voláteis e o aguardente está entre elas ao qual dão o nome de malafo ou marafo, conhaque, cerveja e outras bebidas fortes. As Pomba-giras gostam de anis e champanhe. Não há necessidade de o médium ingerir a bebida, pois a mesma pode ficar num copo e o Exú ou Pomba-gira trabalhar com a sua energia utilizando o conteúdo astral da bebida. 
Comidas: Os Exús e Pomba Gira gostam de farofa, dendê, cebola, pimenta, limão, semente de mamona, e as Pombas Giras de enfeites e adornos, sem contar que gostam muito se suas oferendas enfeitadas com Rosas Vermelhas. 
Alguns Nomes de Pomba Gira: Pomba Gira do Cruzeiro, do Cais, da Calunga, do Cemitério, Padilha, Mulambo, Cigana, Ciganinha, da Calunga, Maria Bonita, Rosa Maria, Maria Rosa, Maria Rita, Rosa vermelha, Rosa do cruzeiro, Sete Véus, Sete cravos, da Encruza.. Alguns Nomes de Exú: Sete Encruzilhadas, Veludo, Caveira, Tranca Ruas, Caveirinha, Exú Campina, Exú do Cruzeiro, Calunga, do Lodo, Lalu, da Madrugada, da Meia Noite, Mangueira, Mulambo, Mulambinho, Malandro, Malandrinho, Gira Mundo, Tiriri, Marabô, Sete Capas, Cadeado, dos Rios, da Cachoeira, dos Ventos, da Praia, Quebra Galho, Sete Covas, Sete Catacumbas, Sete Luas, Sete Sombras, Três Punhais, Três Cruzes, Sete Chaves, Tranca Tudo, Tira Teima, Zé Pilintra e muitos outros. 
Hierarquia dos Exús: Os Exús e Pomba-giras prestam obediência ao Chefe da Casa. No caso da Casa Branca é o Exú das Sete encruzilhadas. Exú Tronqueira: Não confundir o trabalho do Exú guardião com o trabalho do EXÚ TRONQUEIRA. O Exú Tronqueira é aquele que guarda o Terreiro e passa por uma triagem às pessoas que entram no Terreiro. Por isso a sua casa é colocada junto à porta de entrada e é a primeira a ser saudada. Todos devemos ter o máximo de respeito do Exú Tronqueira, pois se uma Gira corre bem e firme devemos agradecer principalmente a ele.

sábado, 26 de novembro de 2011

A hierarquia e poder dos anjos


Segundo as Escrituras, os anjos são as primeiras criaturas de sua criação.
Deus criou os céus ea terra. Primeiro o céu com suas casas ou o céu sobrenatural e os anjos estavam, essas criaturas divinas espirituais que circundam Seu trono, então criou a terra, o material e realizar a sua obra, a partir do nada Deus feito Homem, Sua imagem e semelhança, com base em seu rosto o sopro da vida.
Angeologia, é uma ciência sagrada que tem sua origem em Deus, que nos ensina a conectar com os anjos, de acordo com um protocolo ou cerimonial deve ser acompanhada por uma vida espiritual adequada.
É este o comportamento que devem ser tomados para se conectar a este mundo sutil angelical.
Quando Deus criou os anjos foram divididos em nove grupos e chamou coros angélicos são nove ordens dos Céus.
Estes corais são formados por serem leves, que estão em constante comunhão com Deus, transmitiram a sua soberania, seu poder e justiça infinita.
Cristo é o centro do mundo angélico, pertencia a ele todos os coros. Todo o exército do grande Deus foi criado por Ele e para Ele, quando o Filho do Pai vem em toda a sua glória descer com todos os seus anjos.
Estes estarão presentes ao serviço do Juízo Senhor.
anjos
· Faça esses seres e anjos em geral, não se esquecendo de primeiro pedir a Deus para abrir as estradas, os sinais nos dar a entender para onde devemos ir. O segredo está em pedir com e sem ansiedade ou negatividade. Isto é o que torna as coisas realmente são dadas. A abundância está fora. É uma questão de crença e convicção de que chegaram até nós. ·
Arcanjos
No cristianismo arcanjos são uma classe de anjos. Eles são um dos nove coros da hierarquia. Arcanjos são o penúltimo antes os próprios anjos (como indicado pelo arco prefixo, o que significa maior).
Os três aceito pela Igreja Católica são:
  • Miguel, chefe do exército celestial
  • Gabriel, o mensageiro celestial
  • Raphael, protetor dos viajantes, saúde e namoro.
Para o protestantismo são aceitos apenas os dois primeiros, já que ele é chamado Raphael em um dos livros deuterocanônicos.
Para as Testemunhas de Jeová, o arcanjo é apenas Michael e que a Bíblia é aquele que é chamado de arcanjo (Judas 9) e este termo não é usado no plural nesses escritos. Também certifique-se que Michael é o nome do Filho de Deus, o céu antes de sair para se tornar Jesus Cristo, e após seu retorno ao céu.
Fonte: Wikipedia
 
Wikipedia
Arcanjo Metatron
arcangelmetatron
Arcanjo Gabriel
arcangelsangabriel
San Rafael Arcanjo
arcangelsanrafael
Arcanjo Miguel
arcangelsanmiguel
Arcanjo Uriel
Arcanjo Uriel
Arcanjo Zadkiel, o Arcanjo Zadkiel, Arcanjo Ezequiel
Arcanjo Zadkiel
Arcanjo Jofiel e São Sofiel
sanjofiel
Arcanjo Chamuel
arcangelchamuel
Arcanjo e São Baaraquiel Baraquiel
Arcanjo Baraquiel
Arcanjo Jehudiel
Arcanjo Jehudiel
Arcanjo Saetiel
Arcanjo Saetiel
Arcanjo Anael arcangelanael
Arcanjo Mitzrael arcagelmitzrael
Arcanjo Umabel arcangelumabel
Arcanjo Sandalphon arcangelsandalfon
Arcanjo Arcanjo Raziel Ratziel ou elarcangelratzieloraziel
Arcanjo Urin arcangelurin
Muriel Arcanjo arcangelmuriel
Hasmal Arcanjo, Arcanjo ou Arcanjo Hashmal Chasmal arcangelhasmal
Arcanjo Cherubiel arcangelcherubiel
Amodel Arcanjo arcangelasmodel
Arcanjo Hamabiel hamabiel
Arcanjo Hamaliel arcangelhamaliel
Arcanjo Malchedael arcangelmalchedael
Arcanjo Orfiel arcangelorfiel
Anjos da Guarda
Guardião das Crianças Anjo
angelguardiandelosniños
O Juventude Anjo da Guarda
angelguardiandelamorjoven
O Anjo da Guarda Young Love
angelguardiandelamorjoven
O Anjo da Guarda Jovem Adulto
angelguardiandelosadultosjovenes
O Anjo da Guarda da Maturidade
angelguardianmadurez
O Anjo da Guarda da Saúde
angelguardiandelasalud
Guardin O Anjo da Criatividade
angelguardiandelacreatividad
O Anjo da Guarda do Crescimento Espiritual
angelguardiandelcrecimientoespiritual
The Guardian Serviço de Anjo
angelguardiandelservicio
Princes angelical
Princes angelicais são os protetores, ajudantes e guias raças, nações e cidades. Deles na Bíblia que tinha uma influência forte e poderoso sobre o destino de grandes massas de pessoas. Eles representam o espírito coletivo da humanidade e os tipos de sua presença combinada é equivalente ao espírito de um lugar. A frase que descreve bem o adorável Anjo Príncipe é uma linha do poema Angeles rodeado por Paysan, Wallace Stevens:
No entanto, eu sou o anjo necessário da terra, vez que, na minha opinião, você vê a terra de novo ...
Princes angelical ajudar a humanidade, dando bênçãos e orientação sempre que está envolvido o bem-estar das nações. Esses espíritos são para ajudar a humanidade a resolver essas questões críticas que influenciam o destino das multidões. Princes angelical tentativa de relacionar as decisões dos governantes com os conceitos universais da verdade e da justiça.
Princes angelicais são usados ​​para denotar as direções da bússola quatro, os quatro elementos da natureza, e as quatro funções psicológicas que compõem a mente consciente: pensar, sentir, sensação e intuição. Assim, os Príncipes Angelicais estão diretamente relacionadas com cada um de nós e nossas vidas. Eles se concentram nos aspectos psicológicos do mundo tridimensional e pode ajudar a compreender a essência de nossas situações.
O Priíncipe Sul Angelic
principeangelicosur
O Príncipe Anjo do Norte
principeangeliconorte
Este príncipe Angelic
principeangelicoeste
O Príncipe Anjo do Oeste
principeangelicooeste
Os Poderes
Os Poderes são o Anjo da Paz, Anjo da serenidade e do Anjo da Harmonia.


Como um anjo da paz, um guia fiel, um guardião de nossas almas, podemos orar ao Senhor. LITURGIA DA IGREJA ORTODOXA ORIENTAL
Os anjos da guarda e guias são conhecidos como os Poderes que, especificamente, nos dar paz, harmonia e serenidade. Sua função é proteger celestial nossas almas, que prosperam melhor em uma atmosfera de tranquilidade e paz.
Ao olhar para uma vida pacífica, os anjos nos ajudar a transformar em serenidade tumulto emocional de nossas vidas. Eles sabem que somos mais felizes e saudáveis ​​quando buscamos a paz em nós mesmos e em nosso mundo. Temos, então, a oportunidade de prosperar e tornar-se emocionalmente indivíduos criativos. Eles são absolutamente claro, entretanto, que é até nosso livre-arbítrio desejo este estilo de vida. Nós nunca foram impostas, mas permitir a livre escolha para o nosso desabrochar da primavera e à medida que evoluem a partir da luta e sobrevivência para se tornar plenamente humano e integrado.
Quando escolhemos a paz, Powers nos ajudar a libertar as nossas vidas que nada é controversa e dramática. Nós ajudar a encontrar caminhos pacíficos e delicado que nossas almas prosperar e progredir de forma que, em última instância, pode ser feliz.
Fonte: O Oráculo de Ambika Wauters Angeles
As Virtudes
Virtudes nos ensinar o amor à liberdade ea santidade da fé. Sua função é transformar nossos pensamentos em celestial. Eles são o elo essencial no processo que chamamos de manifestação. Isto significa que o que nós queremos e desejamos pode ser transformado em realidade material por nossa firme intenção de criar. A fim de manifestar uma coisa desejada em nossa existência diária, precisamos ter fé que podemos ter o que queremos.
Quando aceitamos que algo pode tornar-se uma possibilidade real para nós, e deixar de ir a idéia dele e de confiança com todo nosso coração, então, se é para a nossa alegria maior bem maior e entramos em nossas vidas. Virtudes ajuda durante o evento para transformar nossos sonhos em realidade. Nós ensinamos que somos livres para querer qualquer coisa que acreditamos que nos dará a felicidade e prazer. Eles ajudam a nossa vida a se desenrolar de maneira que gostaríamos. Eles nos lembram o quanto é importante contar com o positivo e ser criativo em nosso pensamento.
Nós trazemos as lições de confiança, liberdade e fé. É o seu guia através dos tempos difíceis e duros é o que nos sustenta. Nós valorizamos e queremos ajudar essas qualidades, sabendo que alguma coisa não é realmente possível incorporar, em termos de uma manifestação real e duradoura.
Estamos a própria liberdade e, no entanto, muitos de nossos relacionamentos são expressões de conluio e co-dependência, em vez de si mesmo e nossa própria evolução. À medida que crescemos, é necessário confiança no processo da própria vida para saber que estamos nos movendo em direção à luz e à nossa própria individualidade. A fé é a qualidade mais essencial saber que tudo é possível e que somos verdadeiramente protegida e guiada.
Fonte: O Oráculo de Ambika Wauters Angeles
Domínios
Domínios
Os anjos cantam os louvores do seu Senhor e pedir perdão para aqueles que na Terra.
O Alcorão, XLII: 5
A Domino oferece à humanidade a qualidade de misericórdia. Eles nos ajudam a conciliar o nosso passado e encontrar o perdão em nossos corações. Também trazemos o dom da sabedoria, permitindo-nos viver em um estado de graça. Eles nos ajudam a ser mais plenamente o presente, liberando o poder recriminações passado pesado, que pode pesar muito em nossas mentes e parar de nossa força criativa.
Domínios são os anjos da sensibilidade à luz e grandes. Eles sabem que, muitas vezes, por isso a maioria de nós, o perdão é uma das coisas mais difíceis para perguntar. Quando houve grande sofrimento, às vezes por gerações, ódio e dor estão enraizados em nós. Estes espíritos divinos gentilmente nos encorajar, e outra vez, para liberar o jugo da nossa negatividade. Amorosamente aliviar o peso do nosso sofrimento e torná-la possível para nós a deixar o passado e viver mais plenamente no momento.
tresangeleslasdominaciones
O Anjo da Reconciliação, o Anjo da Misericórdia, O Anjo do Perdão
"O resiben domínios fazer seu pedido diretamente do seu Arcanjo Hasmal que está no limite do finito e não infinito. Diz-se que todo o grupo formado pelas Dominações eo Arcanjo Hasmal sele Hamshallin diz. "
Os Anjos
Os Anjos estão associados com a própria essência da criação. Eles, por sua luz, são os criadores de milagres. Transmitem poder de Deus para criar a substância elemental da qual é formada a vida, e penetra todo o universo. Anjos são conhecidos como o milagre do amor. Nós oferecemos o amor incondicional para sempre. Encorajar e apoiar a nossa evolução espiritual ao mais alto grau, até somos um com o espírito criativo da Fonte.
Eles são chamados de Miracle of Love Angel, o Anjo da Essência do Amor e do Anjo do Amor Eterno. Eles representam o espírito de grandeza é conhecido como o amor incondicional e eternamente duráveis. Testemunhamos isso em cada ato da criação. É algo que enche o universo com o seu próprio poder. É através dos Anjos como nos conectamos com este amor e reconhecer o seu esplendor.
Anjos oferecer para aqueles que procuram este bendito estado de unidade com a fonte, os meios para refinar e ajustar nossas vibrações com níveis mais elevados de consciência. Eles podem, por exemplo, trazer o milagre de instrutores ou mestre especial, tanto físicos e não físicos. Estes formadores são eles próprios seres que entram em contato com a luz e, através de vários meios de purificação, queimou a escória da sua negatividade, submetendo-se a unidade da vida.
Anjos constantemente nos lembram o milagre do amor, e como estamos completamente renovado e transformado por essa energia prodigiosa. Nós ajudar a curar a dor de toda a separação e perda, para perceber que o amor é eterno e absolutamente indivisível.
Fonte: O Oráculo de Ambika Wauters Angeles
Os Querubins
Os Querubins são seres celestiais com uma função de proteção que guarda a entrada do Paraíso. Eles são os portadores da sabedoria última do universo. Ajudar todos os que estão associados com sabedoria e força para oferecer aqueles que estão sintonizados com a palavra de Deus. Preencher o universo com a sabedoria de Deus. Quando estamos em sintonia com a vibração do amor que sentimos a profundidade do conhecimento dentro de nós. Esta é uma reflexão clara e direta da sabedoria canalizados para nós, na esperança de que vamos conhecer a Deus e entender a magnitude do amor incondicional que vive dentro de nós.
Querubins nos oferecer a sua consciência, claro como cristal, a unidade de toda a vida. No Oracle são conhecidos como o Anjo da Sabedoria, o Anjo do Discernimento eo Anjo do Conhecimento.
Eles são os mensageiros de Deus, compartilhar a plenitude do amor e do conhecimento. Nós oferecemos a possibilidade de explorar os mistérios da vida através da transmutação de conhecimento em sabedoria. Eles não são o garoto gordinho tantas vezes pintada em arte angelical, mas sim a pureza do espírito encarnado na pequeninos que sabem que estão seguras e amou profundamente.
Fonte: O Oráculo de Ambika Wauters Angeles


Os Tronos
Os Tronos são forma angélica mais próxima da Fonte Divina em si. Há muito além, e ainda a sua função angelical é transformar pensamentos em questão. Existem a nível do pensamento puro e são os drivers da vibração do amor de Deus para a forma material.
Funciona como os olhos de Deus e assumir a forma do movimento das correntes de luz colorida. Eles são conhecidos como o Anjo do Ser, o Anjo do Poder e do Anjo da Glória. Transmitem poder ea glória da fonte de todo o universo, oferecendo um feixe constante de luz que nos permite expressar esse amor em nossas vidas. Quando nós liberamos a nossa mente aberta e experimentar o momento que estamos vivendo a glória e esplendor da criação, como pretendido. Tronos é quando nos transportou para o reino de felicidade.
Há sempre presente no momento, e à medida que progredimos além da nossa superficial identificação de quem acreditamos ser, e começar a viver como co-criadores do universo junto com a fonte, descobrimos que existem mais plenamente o presente. Desta forma, são atraídos para os reinos do amor, criatividade e sabedoria, que são tão profundas que podemos não ser capazes de fornecer descrições significativas de nossas experiências. Este é o Céu do Paraíso, que poetas e místicos têm dito ao longo dos tempos. Tudo que requer de nós é que deixamos de lado nossos egos e viver abertamente e corajosamente no prazo previsto neste documento, livre das ilusões que são incapacitantes e stunt nossos espíritos. Com a ajuda dos anjos todos nós somos capazes de viver como se pretende, na alegria, na felicidade e com o conhecimento que realmente amava e queria.
O reino dos Tronos é o mais alto nível que pode subir os anjos. Dan "louvor e agradecimento sem fim" para a fonte, sabendo que este amor e misericórdia vai durar para a eternidade.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Pomba-Gira das Sete Saias

Pomba-Gira das Sete Saias

















































Jalusa Correia era uma bela mulher. Morena de bastos cabelos negros, tinha ainda magníficos olhos verdes que a todos encantava. Aos dezessete anos se casou e teve dois filhos, que foram por algum tempo a razão de sua existência. Quando estava prestes a completar seu vigésimo terceiro aniversário uma tragédia abateu-se sobre ela, seu marido e filhos faleceram em um pavoroso acidente de trem e da noite para o dia tornou-se uma pessoa imensamente triste e solitária. Por muitos anos carregou o peso na consciência por não estar com eles nesse momento. Culpava-se intimamente porque nesse fatídico dia tivera uma indisposição séria e não quisera acompanhá-los na pequena viagem que mensalmente faziam à cidade vizinha. O remorso a torturava como se com isso conseguisse diminuir o tamanho de sua dor.
Dez anos se passaram até que Jalusa voltasse a sorrir, apesar do coração em frangalhos. Foi nesse período que Jorge apareceu em sua vida. O jovem viúvo logo se tomou de amores pela solitária e encantadora mulher. Conhecendo o trauma vivido por ela, teve a certeza de haver encontrado a mãe que sua filha precisava. A pequena Lourdes ficara órfã muito cedo e com apenas seis anos não conseguia esquecer a morte de sua genitora, tornando-se uma criança frágil e assustadiça.
Não demorou muito para que se casassem. No inicio Jalusa foi exemplar, como mãe e esposa, de repente, sem entender o motivo, começou a odiar a pequena menina. Lourdes a irritava, cada palavra dita por ela, entrava em seus ouvidos como uma ofensa. A menina apanhava por qualquer coisa, eram palmatórias, surras de cipós e puxões de cabelo que a deixavam inteiramente dolorida. Com medo de dizer ao pai o que ocorria em sua ausência, Lourdes foi ficando a cada dia mais amarga e triste. Seus únicos momentos de alegria eram os passeios que fazia com o pai. Sempre que Jorge perguntava o que estava acontecendo ela mentia dizendo sentir saudades da mãe.
O ódio de Jalusa pela criança só aumentava, cada vez que a menina chegava perto dela, a lembrança de seus próprios filhos a atormentava: - Como pode uma criatura indecente dessas estar aqui, viva ao meu lado, e meus filhos lindos, mortos? - Era sempre nesses momentos que a menina era mais agredida.
Um dia Jorge resolveu fazer uma surpresa e retornar mais cedo a casa. Ao entrar devagar para não ser notado, ouviu os gritos: - Sai vagabunda! - acompanhado do som de um tapa - abriu a porta justamente no instante em que sua filha era atirada contra um canto da parede. Num átimo, percebeu tudo que estivera ocorrendo em sua ausência. Correu até a mulher e a esbofeteou com rancor exigindo que saísse de sua casa imediatamente. Desse dia em diante, Jalusa passou a morar nas ruas, mendigando e xingando todas as crianças que lhe passassem por perto. Às vezes, chorava muito, mas logo se erguia e gargalhava alto. Em uma noite de intenso frio, seu espírito foi arrancado do corpo e levado para zonas sombrias onde por muitos anos procurou respostas para as mazelas passadas. Depois de ter contato com suas vidas pregressas, percebeu os erros que cometia a cada encarnação onde sempre era a causadora de grandes males causados a crianças e suplicou ajuda para o ressarcimento de suas culpas. Hoje, na vestimenta fluídica de Pomba-Gira das Sete Saias, procura sempre uma maneira de atender aos que a procuram com simpatia e carinho. Quem a conhece em terra sabe de sua predileção por jovens mães e o respeito que nutre por todas as crianças. Está enfim a caminho de uma grandiosa evolução.
Laroiê Dona Sete Saias!

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Maria Padilha das Sete Encruzilhadas

Maria Padilha das Sete Encruzilhadas

Núbia estava satisfeita e feliz. Depois de uma misteriosa doença, sua prima, a rainha Velma, havia sucumbido. E ela sabia do que se tratava, fora ela quem, diariamente, pingara gotas de um poderoso veneno nas refeições da soberana. O caso amoroso que mantinha com o rei Alberto finalmente teria um final feliz. Para ela, claro! Mal pode conter a alegria quando foi notificada da morte da prima. Fez um tremendo esforço para derramar algumas lágrimas durante o féretro, porém seus pensamentos fervilhavam. Imaginava os detalhes de sua coroação. Havia o período de luto de no mínimo três meses, mas isso era de menos, Alberto estava totalmente apaixonado e faria de tudo para casar-se com ela o mais rápido possível. Aí sim, a glória e o poder que sempre foram daquela tonta seriam dela para frente. Várias vezes tivera que cobrir o rosto com seu lenço negro para que ninguém percebesse o sorriso de satisfação que aflorava em seus lábios. Terminadas as exéquias, Núbia procurou pelo amante para dizer-lhe que estava pronta para ser sua nova mulher, esperariam o luto oficial e poderiam começar os preparativos para o casamento e coroação. A reação de Alberto fez seu coração gelar:- Núbia foi você que matou minha mulher? Negou peremptoriamente. Ela jamais teria coragem de fazer qualquer mal à sua prima, mesmo amando seu marido, pelo contrário, perdera noites de sono para permanecer à cabeceira da doente. Como podia ele pensar isso dela? - Núbia! - Alberto estava gritando - A casa tem criados, será que você é tão imbecil que não percebe que eu descobriria? O desespero tomou conta da mulher, sentiu que a situação havia fugido de seu controle. Jogou-se aos pés do homem implorando perdão: - Eu te amo demais, não agüentava mais ficar longe de você! As lágrimas corriam livremente. - Ela não te amava, sou eu que o amo! Sem pestanejar, Alberto chamou pelos guardas palacianos e mandou que a levassem a ferros para o porão do castelo onde ficaria até que ele decidisse o que fazer. Durante três anos permaneceu presa. Chorava muito e amaldiçoava a todos. O pior, porém, era o fantasma de Velma que todas as noites a visitava. A imagem da rainha surgia ricamente vestida e a olhava com piedade balançando a cabeça em sinal de desaprovação. Nesses momentos os gritos que dava ecoavam pelos corredores do palácio. Da bela e arrogante mulher, nada mais restava. Tornara-se um trapo humano. Um dia veio o golpe fatal. A criada que lhe trazia as refeições informou-lhe que o rei havia anunciado seu casamento com uma jovem duquesa. As horas que se seguiram a essa descoberta foram de horror, a imagem da rainha falecida permaneceu sentada no fundo do cubículo e não desviava o olhar tristonho de acusação. Num acesso de fúria avançou sobre o espectro. Debilitada, tropeçou nas próprias vestes e caiu batendo a têmpora na pedra onde Velma estivera sentada. Seu espírito vagou por anos. Aprendeu muito e descobriu que havia sido rainha em outras encarnações, mas que nunca fora exemplo de bondade ou compaixão. Hoje, em nossos terreiros, Maria Padilha das Sete Encruzilhadas readquiriu o porte majestoso de antigas vivências e segue em busca de evolução. Sempre que está em terra lembra que há muito a aprender, mas que tem muito a ensinar. Laroiê as Pomba-giras!

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Pomba-Gira Maria Mulambo

Pomba-Gira Maria Mulambo


A condessa Sophia estava novamente com problemas, por isso chamou a negra Calú. Da primeira vez em que ficara grávida fora do casamento seu socorro viera através da escrava conhecedora de ervas que expulsavam o feto como que por encanto. Desta vez o assunto era ainda mais sério, estava grávida de um negro, como explicar ao conde, louro de olhos azuis e pele alvíssima, um filho que, certamente, nasceria mulato? Calú entrou cabisbaixa nos aposentos da condessa e foi informada que deveria novamente proceder como há quatro meses. A escrava ficou boquiaberta: - Senhora, como deixou isso acontecer novamente em tão pouco tempo? É muito perigoso provocar sangramento quase seguido! - Foi calada por um violento tapa - Como ousa julgar os atos de sua senhora, negrinha vagabunda? Eu te chamei para fazer o seu serviço e é isso que deve fazer. Vá buscar as o que necessitas e volte imediatamente com tudo pronto ou mandarei te surrar até que morras! Desorientada pela agressão, Calú embrenhou-se na mata para procurar as ervas que conhecia tão bem. Seu rosto ainda queimava pela agressão e também pelo ódio que invadia seu coração. Ela que sempre fora fiel, facilitara os encontros clandestinos da condessa em várias ocasiões, e não foram poucas, causara-lhe o primeiro aborto e nem um obrigado tivera ainda tinha que apanhar? Vagabunda era ela, que se vestia com capricho, perfumava-se e fazia o papel da esposa perfeita ao lado do conde e ao menor afastamento deste, deitava-se em qualquer lugar com qualquer um. E depois ela é quem tinha que virar-se para dar um fim aos bastardinhos? Hoje iria a forra, seria o seu dia de vitória. Apanhou ervas que em nada serviriam para o aborto proposto. Fez uma mistura que após a infusão levaria a mulher à morte em pouco tempo. Aí sim ficaria contente, ver aquele poço de vaidade e devassidão morrendo lentamente pelas suas mãos. Entrou no quarto e a condessa encontrava-se deitada. - Já está pronto o remedinho minha querida? - Além de tudo era cínica - Sim senhora, preparei uma grande caneca e hoje mesmo estará livre do seu mal. - Ah que bom! Desculpe sim? Se perdi a paciência com você, mas não gosto que me ponham contra a parede. - Calú lançou-lhe um olhar furtivo - Não foi nada, já esqueci! Tome o chá e fique deitada. Em poucos minutos a mulher começou a sentir dores insuportáveis. - Calú esse não é o mesmo chá? Estou com dores horrorosas! - É assim mesmo, senhora, faz muito pouco tempo do outro acidente. Intimamente a escrava alegrava-se ao ver o sofrimento da condessa. - Calú, estou morrendo! - A negra subiu sobre a cama e falou: - Isso mesmo, condessinha vagabunda, estou livrando o mundo de uma podridão. Morra infeliz! A porta se abre e uma escrava ouve essa última frase, se vira imediatamente e sai correndo aos gritos pela enorme mansão: - A Calú está matando a condessa! Alguém socorra!. Em poucos minutos o chefe da guarda, invade o quarto e vê a cena, a condessa morta sobre a cama e a escrava rindo histericamente ao lado. Um golpe certeiro de sua espada corta o pescoço da mulher,cuja cabeça, cai sobre o corpo inerte de sua vitima.
Depois de muito vagarem por tortuosos caminhos inferiores, os espíritos de ambas, encontraram-se em uma lei de esquerda. Na linha de Maria Mulambo, conseguiram o fio condutor de uma lenta e necessária evolução. Este é um dos raros casos em que dois espíritos ligados pelo ódio em terra, uniram-se para a evolução sob a mesma lei. Sophia hoje atende por Maria Mulambo das Sete Catacumbas e Calú, por Maria Mulambo das Almas. Laroiê as Pomba-giras!

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Historia de uma Pomba-Gira

História de uma Pomba-Gira














França, final do século dezenove. Juliette estava desesperada. Aos dezessete anos, filha de nobres franceses estava prometida em casamento para o jovem Duque D'areaux. Por coisas que somente à vida cabe explicar, havia se apaixonado por um dos cavalariços de sua propriedade. Entregara-se a essa paixão de forma avassaladora o que culminou na gravidez que já atingira a oitava semana. Somente confiara o segredo à velha ama Marie, quase uma segunda mãe que a vira nascer e dela nunca se afastara, que a aconselhou a fugir com Jean, seu amado. Procurado, o rapaz não fugiu à sua obrigação e dispos-se a empreender a fuga. Sairiam a noite levando consigo apenas a ama que seria muito útil à moça e os cavalos necessários para os três. Perto da meia-noite, Juliette e Marie esgueiraram-se pelo jardim e dirigiram-se até o ponto em que o jovem as esperava. Rapidamente montaram e partiram. Não esperavam, contudo, que um par de olhos os espreitasse. Era Sophie a filha dos caseiros, extremamente apaixonada por Jean. Percebendo o que se passava correu até a grande propriedade e alertou aos pais da moça sobre a fuga iminente. Antoine, o pai de Juliette, imediatamente chamou por dois homens de confiança e partiu para a perseguição. Não precisaram procurar por muito tempo. A falta de experiência das mulheres fazia com que a marcha dos fugitivos fosse lenta. Antoine gritou para que parassem. Assustado Jean apressou o galope e o primeiro tiro acertou-o no meio das costas derrubando-o do cavalo. Juliette correu para o amado gritando de desespero quando ouviu o segundo tiro. Olhou para trás, a velha ama jazia caída sobre sua montaria. Sem raciocinar no que fazia puxou a arma de Jean e apontou-a para o próprio pai. - Minha filha, solte essa arma! - assim dizendo aproximava-se dela. Juliette apertou o gatilho e o projétil acertou Antoine em pleno coração. Os homens que o acompanhavam não sabiam o que fazer. Aproveitando esse momento de indecisão a moça correu chorando em total descontrole. Havia uma ponte à alguns metros dali e foi dela que Juliette despediu-se da vida atirando-se na água gelada. A morte foi rápida e nada se pode fazer. Responsável direta por três mortes (a dela, do pai e da criança que trazia no ventre) causou ainda, indiretamente mais duas, de Jean e da ama. Triste destino aguardava o espírito atormentado da moça. Depois de muito vagar por terrenos negros como a noite e conhecer as mazelas de incontáveis almas perdidas encontrou um grupo de entidades que a encaminhou para a expiação dos males que causara. Tornou-se então uma das falangeiras de Maria Padilha. Hoje em nossos terreiros atende pelo nome de Maria Padilha dos Sete Cruzeiros da Calunga, onde, demonstrando uma educação esmerada e um carinho constante atende seus consulentes sempre com uma palavra de conforto e fé exibindo um sorriso cativante. Salve minha mãe de esquerda!

Pesquisar este blog

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...